A gestão de operações logísticas segue acompanhando as inovações tecnológicas e se tornando cada vez mais inteligente. Com o surgimento de ferramentas computacionais auxiliares, é possível gerar valor para todos os envolvidos e otimizar as entregas, com redução de erros no processo e prazos menores.

Nesse sentido, destaca-se a automação em logística, que visa a eliminar despesas, oferecer maior agilidade operacional — tornando a cadeia menos complexa — e garantir um alto retorno sobre os investimentos.

Quer saber mais sobre essa aplicação da tecnologia e como ela pode ser usada para solucionar questões do dia a dia? Acompanhe!

O que é RPA?

O RPA é a sigla para robotização de atividades repetitivas, uma forma de automação que foca o problema de tarefas burocráticas e soluciona isso com a alocação de pequenos robôs para desempenhá-las.

A aplicação funciona como um complemento à mão de obra humana, fornecendo inteligência e capacidade de integração com outros sistemas computacionais da companhia.

O RPA é uma das maneiras mais comuns de automatizar processos porque é simples de implementar e fácil de gerenciar financeiramente. Além disso, também é uma tecnologia que se adapta muito bem a diferentes contextos profissionais, bem como permite o crescimento da empresa, com um grande potencial de escalabilidade.

Por essa razão, é uma ferramenta que otimiza a gestão, enquanto suporta as operações internas. Depois da implantação, a equipe passa a trabalhar junto aos robôs e é capaz de focar as questões mais estratégicas do negócio, que precisam da inteligência e criatividade deles.

A solução pode ainda ser otimizada com ajustes pontuais e monitoramento constante, acompanhando a evolução das outras tecnologias no mercado.

Como o RPA pode ser usado na logística?

Como mencionado, o RPA serve a qualquer ramo. Uma dessas atuações acontece no setor logístico, que é caracterizado por uma complexidade muito grande e um emaranhamento de atividades e responsabilidades. Para lidar com essa cadeia, é preciso inteligência e previsibilidade. Confira a seguir algumas formas dessa aplicação.

Tarefas repetitivas

O RPA é utilizado para automatizar tarefas repetitivas na logística, como o próprio nome da tecnologia sugere. Alguns processos mais burocráticos e cansativos, que ocupam muito tempo dos humanos e estão sujeitos a erros, podem ser passados para os robôs de maneira simples. Isso fortalece o fluxo e o encadeamento de atividades, o que ajuda a eliminar gargalos operacionais.

Alimentação de sistemas

Outro uso interessante dos softwares de automação é no controle e na alimentação de outros sistemas, de maneira fluida e automática. Isso porque o RPA é muito bom em integrar softwares distintos e viabilizar a comunicação entre eles, possibilitando que haja uma conexão efetiva.

Gestão de inventário, estoques e armazenagem

Esses controles são muito importantes para a gestão logística e podem também se tornar mais fáceis com o apoio dos sistemas automáticos.

A precisão dos robôs ajuda a eliminar erros no gerenciamento dos produtos e a otimizar os processos envolvendo os locais físicos de armazenamento, com facilidade de busca de mercadorias, por exemplo. A agilidade e a produtividade também favorecem essas tarefas, uma vez que eliminam empecilhos.

Controle de frota e rastreamento

Com o apoio de outras ferramentas de virtualização, o RPA também auxilia no controle de frota e no rastreamento de mercadorias e de transporte.

Isso é possível por conta da integração entre as tecnologias e porque os robôs funcionam como vigilantes, prontos para executar determinadas ações em situações específicas. A geração de relatórios, por exemplo, é um tipo de trabalho realizado pelo RPA para ajudar nessa questão.

Quais os benefícios do uso do RPA na automação em logística?

Agora que já vimos as formas de se usar a ferramenta, abordaremos a seguir os principais benefícios do uso de RPA na logística. Confira!

Menos erros e retrabalho

Os robôs tendem a ser mais precisos em suas atividades, já que são programados exatamente para isso e não sofrem interferências de fatores psicológicos, como cansaço, estresse, entre outros. Por essa razão, o seu trabalho implica menos erros na cadeia operacional, o que reduz a necessidade de repetir as tarefas.

Agilidade

A principal decorrência do ponto anterior é justamente a maior agilidade operacional. Com menos erros e gargalos produtivos, as equipes internas são capazes de suprir as demandas com rapidez, melhor comunicação entre os diversos pontos e mais inteligência. Uma vez que a logística é uma cadeia, se um processo for mais ágil, todos os outros são beneficiados.

Maior controle

O RPA e a automação também geram maior controle para a gestão. É possível implementar medidas de segurança e de proteção, com monitoramento constante e acompanhamento de tudo o que acontece dentro da empresa.

Como os processos se tornam mais fáceis de gerenciar, a liderança consegue manter o domínio sobre eles e realizar mudanças rápidas sempre que necessário. Da mesma forma, é possível tomar decisões melhores, com maiores chances de acerto, dados disponíveis e integrados.

Previsibilidade e padronização de resultados

O RPA também a ajuda a gerar previsibilidade e padronização dos resultados e das operações em si. Isso ocorre porque na implementação desses sistemas, o mapeamento dos processos e do fluxo produtivo é uma etapa crucial, que permite que os gestores saibam exatamente o que pode ser automatizado ou não.

A consequência disso é um maior conhecimento e controle sobre as atividades, com garantia de uniformidade e qualidade, o que ajuda na definição de metas e na implantação de melhorias.

Redução de custos

A otimização que os robôs trazem é importante a fim de eliminar custos desnecessários, principalmente associados a desperdícios. A agilidade e a integração ajudam a melhorar a eficiência dos processos, com o uso correto dos recursos para os fins necessários.

Segurança

Também é possível garantir mais segurança, tanto física, para os colaboradores, quanto para os dados. O primeiro tipo é alcançado por causa do monitoramento e do acompanhamento constante da gestão. Já o segundo tipo, pela integração e comunicação com os sistemas da empresa. Logo, com informações centralizadas, fica mais fácil gerenciar a proteção e evitar riscos.

Competitividade

Por fim, o investimento em RPA nessa área ajuda a aumentar o Retorno sobre Investimento (ROI), com maior competitividade para a gestão interna. Os processos mais ágeis, o gerenciamento facilitado e os prazos menores e com despesas mais enxutas ajudam a destacar a companhia no mercado, uma vez que tudo isso coopera com melhores resultados para os clientes e geração de satisfação do consumidor.

O RPA é uma tecnologia revolucionária que segue como uma das estratégias de automação mais interessantes por conta do baixo custo e da versatilidade.

Na logística, ele pode ser usado em diferentes frentes, auxiliando no controle e monitoramento, a fim de tornar o processo mais inteligente e produtivo. Isso tudo implica destaque da empresa no mercado, com uma forma diferente de trabalhar e de alcançar bons resultados.

Gostou das informações sobre a automação em logística? O artigo foi realmente útil? Se sim, não deixe de assinar a nossa newsletter e conferir outros conteúdos relevantes na sua caixa de entrada!